segunda-feira, 17 de agosto de 2015

7 motivos para obedecer o dedilhado marcado

Várias partituras (principalmente métodos e peças eruditas) trazem uma indicação de dedilhado: números colocados na partitura, acima das notas, que indicam o dedo a ser usado para toca-las. Para o pianista, os dedos são numerados à partir do polegar, em ambas as mãos:



Apesar de não ser obrigatório, na maioria dos casos, veja 7 razões para seguir o dedilhado marcado:

1) Métodos e exercícios: como são elaborados com objetivos didáticos, abordando uma (ou mais) problemática(s) específica(s), métodos só surtirão efeito se o dedilhado determinado for obedecido à risca. Utilizando um diferente, você pode deixar a execução mais fácil e, assim, anular a função dos exercícios;

2) Tocar com partitura: o dedilhado é elaborado de maneira que o pianista movimente suas mãos o menos possível, posicionando cada dedo numa tecla adjacente à outra. Esse posicionamento permite tocar sem precisar olhar para as mãos o tempo todo, necessário tanto numa leitura à primeira vista (tocar uma partitura desconhecida), como na execução de uma peça que não esteja decorada;

3) Evitar "malabarismos": usando um dedilhado inadequado, até passagens simples podem se tornar difíceis. Aquele que, por não definir um dedilhado, usa o primeiro dedo que "vier na cabeça", pode criar "armadilhas" para si mesmo, executando alguma manobra anti-pianística (posicionamento que impossibilita o funcionamento preciso dos dedos) que prejudicará a performance;

4) Assimilação mais rápida: ao utilizar sempre a mesma seqüência de dedos, você facilita o seu processo de aprendizado. Se a escolha for aleatória (sem planejamento), seu cérebro sempre perderá algum tempo para, a cada momento, decidir qual dedo será acionado;

5) Decorar: ao facilitar a assimilação, automaticamente você agiliza, também, sua memorização. Nossa memória funciona por associação, fixando padrões por repetição. Usar dedos diferentes, a cada vez que executar uma mesma passagem, dificulta essa fixação;

6) Trechos difíceis: há passagens tão complicadas que são impossíveis de serem executadas se não for usada uma seqüência específica de dedos. O dedilhado é a indicação de alguém (compositor, revisor, editor, etc.) que conseguiu tocar o trecho usando aquela seqüência marcada;

7) Tocar no andamento correto: praticamente qualquer passagem, por mais difícil que seja, é possível de ser executada quando feita muito devagar. Quando um dedilhado é definido, leva-se em consideração a velocidade na qual o trecho deverá ser tocado. Assim, uma seqüência que funcione tocando devagar, pode não funcionar se executada mais rápido. 

Caso esteja, numa peça, seguindo o dedilhado marcado, estudando corretamente e, mesmo assim, não conseguindo tocar alguma passagem, talvez aquele dedilhado não seja adequado para você. Como em todo aspecto biológico, pessoas tem mãos de tamanhos, formas e elasticidade diferentes, ou seja, nem todo dedilhado é adequado para qualquer tipo de mão. Encare a indicação de dedilhado como uma boa SUGESTÃO: o seu professor (e mesmo você, quando adquirir maior experiência) saberá discernir se existe uma outra opção que seja mais adequada às características de sua mão.