sábado, 26 de setembro de 2015

12 passos para criar o hábito de estudo numa criança

Atividades complexas, que exigem muito treinamento, nem sempre tem um começo agradável e estimulante. Leva-se um bom tempo estudando (com muita paciência e dedicação) para atingir um estágio satisfatório que comece a corresponder às expectativas dos alunos e/ou seus pais.

Acostumadas com prazeres momentâneos, crianças geralmente não gostam de praticar exercícios cujos benefícios só vão aparecer mais tarde. Para que, no entanto, seu desenvolvimento musical aconteça, é preciso 'envolvê-la' no processo, criando uma rotina de estudo. 

E como, praticamente, qualquer atividade, estudar também é um hábito que se adquire. Veja 12 dicas que ajudarão nessa tarefa: 

1) Crie o AMBIENTE necessário: deixe o instrumento sempre disponível e de fácil acesso, num lugar silencioso e com o menor número de distrações possíveis (telefone, TV, computador, videogame). Instrumentos eletrônicos (teclados e pianos digitais) oferecem a opção de toca-los com fone de ouvido, muito útil em situações onde é impossível coloca-los num cômodo privativo, para o estudante não incomodar as outras pessoas da casa e não ser incomodado também;

2) Programe PERÍODOS CURTOS de estudo: crianças tem dificuldade de manter a concentração, numa mesma atividade, por mais de 15 minutos. Inicialmente, estabeleça um período de, no máximo, 10 minutos, todos os dias. À medida que o hábito esteja formado e houver possibilidade, aumente para dois ou mais períodos 'não consecutivos' por dia. Só aumente o tempo de cada período se, pelo menos, um deles esteja sendo cumprido todos os dias (veja no blog: 6 passos para criar uma rotina de estudo);

3) Faça a PROGRAMAÇÃO do horário de estudo JUNTAMENTE com a criança: leve em consideração o ponto de vista dela para conseguir sua colaboração mais facilmente. Procure horários em que ela esteja descansada/disposta e que seu programa de TV preferido, por exemplo, não esteja passando;

4) Explique que TOCAR é diferente de ESTUDAR: ficar se divertindo no instrumento (tocando músicas conhecidas, tirando trechos "de ouvido", explorando livremente sua sonoridade e seus recursos) não é exatamente ESTUDAR. Apesar desse lazer ser fundamental para dar ânimo e desenvolver habilidades cognitivas importantes, o estudo musical não deve se resumir a isso. O desenvolvimento só será adequado se os exercícios propostos em aula forem praticados em casa. Programe apenas os períodos de ESTUDO (de acordo com o item nº 3 dessa lista). Os períodos de LAZER no instrumento devem ser livres e não entram nesse cálculo;

5) Ajude-a a criar um COMPROMISSO: obviamente que, para mudar sua rotina, a criança terá que deixar de fazer alguma coisa para estudar. Deixe claro que ela não estará abandonando aquilo que gosta, mas apenas diminuindo sua atividade, por 10 minutos, para conseguir fazer algo que poucas pessoas fazem (tocar um instrumento musical) e que todos gostariam de fazer;

6) Estude JUNTO: nas primeiras semanas de aula, é comum a criança ficar perdida no momento de estudar sozinha, em casa. Na maioria das vezes, é porque esquece as instruções/recomendações do professor. Nesse caso, o ideal seria um dos pais acompanhar algumas aulas (com o consentimento do professor) ou pedir uma explicação básica para poder orientar o estudo em casa, até que a criança seja capaz de "se virar" sozinha;

7) ELOGIE e incentive qualquer progresso: mesmo nas pequenas conquistas, um elogio sincero motiva a criança em prosseguir nos estudos e almejar desafios mais altos. É preciso entender que ela está praticando uma atividade difícil, que requer tempo e dedicação constante, com resultados demorados. Elogiando seus avanços, você fará com que ela também compreenda esse processo, o que é crucial para mante-la motivada e ensina-la a controlar a ansiedade;

8) Crie DESAFIOS: além dos elogios, estimule a criança oferecendo uma recompensa se ela cumprir um prazo determinado para terminar alguma lição. Importante que o prazo seja justo e realista, e que o prêmio seja, somente, representativo e sem valor material significativo, para não desvirtuar o aluno do objetivo de criar um ENGAJAMENTO e transforma-lo num mercenário motivado por interesse;

9) NÃO CONDICIONE o estudo a prêmios ou punições: estímulos são interessantes e importantes, mas não a ponto de serem a única razão para se fazer alguma coisa. Se o horário de estudo já foi definido (por ambas as partes) e a criança não o estiver cumprindo, converse com ela para descobrir as razões: reforce a necessidade de empenho para se conseguir algum resultado e que, sem ele, o dinheiro investido está sendo jogado fora. E punições não são eficazes para motivar alguém a se dedicar mais numa tarefa que, teoricamente, foi escolhida por vontade própria;

10) DIMINUA as atividades: encher a agenda de seu filho, com diversas atividades diferentes, o farão perder o foco e não se dedicar, satisfatoriamente, em nenhuma delas. É preferível fazer poucos cursos bem feitos do que vários de qualquer jeito. E o mais importante: crianças precisam de tempo para BRINCAR! Prodígios que, desde cedo, tem uma vida cheia de compromissos, quase sempre tornam-se adultos infelizes por não terem podido aproveitar o período da infância em sua plenitude;

11) NÃO COBRE resultados imediatos: cada pessoa, de qualquer idade, tem uma velocidade de assimilação diferente da outra. Os motivos podem ser vários: aptidões/dificuldades específicas, maior/menor disponibilidade de tempo, nível de dedicação/concentração, local/instrumento adequado, etc. Na fase inicial de estudo, pressionar uma criança para estudar raramente surtirá um efeito positivo. Na maioria das vezes, o resultado é inverso: muitos ex-alunos de piano, mesmo tendo completado o curso, tiveram uma experiência tão traumática, que pegaram aversão ao instrumento! (veja, também, no blog: Em quanto tempo estarei tocando?);

12) MUDE de instrumento: não adianta insistir que a criança estude piano quando ela quer, na verdade, tocar bateria! Mas, às vezes, nem ela mesma está certa sobre qual instrumento quer estudar. Isso é normal, tanto pela idade, como pelo fato de cada instrumento musical ter um fascínio diferente e particular. Se houver uma indecisão, experimente colocá-la para fazer algumas aulas de cada instrumento desejado: o contato direto facilitará sua escolha. 

Um ponto muito importante, a também ser considerado, é de JAMAIS OBRIGAR a criança a fazer qualquer um dos cursos: mesmo sendo, comprovadamente, muito importante na formação de qualquer pessoa, só quem estuda um instrumento musical tem a noção exata de sua dificuldade. Os que nunca tiveram um contato mais próximo com a Música, costumam alimentar a fantasia de que é preciso apenas de aptidão (talento natural) para exercê-la. O aprendizado musical assemelha-se muito à prática esportiva: o talento ajuda no processo, mas não é essencial para exerce-la e nem elimina a necessidade de treinamento (veja, também, no blog: O que é TALENTO?).

Ao se deparar com a dificuldade e a demora dos resultados, muitos iniciantes querem desistir, pois não estão dispostos aos sacrifícios necessários. Muita vezes, essa característica é comportamental: veja se é um fato isolado ou se a criança abandona, constantemente, qualquer atividade ao menor sinal de complexidade. Converse com ela e explique que a maioria das coisas somente são possíveis com esforço/sacrifício. Se, mesmo assim, ela não quiser estudar Música, não insista: a dedicação acontece naturalmente quando a vontade é ESPONTÂNEA (engajamento) e não através da FORÇA (repressão). Talvez mais tarde, com a maturidade e a disciplina mais desenvolvidas, ela volte a se interessar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário